[cc-br] (no subject)

André Nunes dede.mathias at gmail.com
Fri Apr 27 14:41:35 EDT 2007


Prezado Daniel,

De nada.

Os ânimos não ficaram nem um pouco exaltados por nossa parte, nós apenas
expusemos nossos pensamentos, já que você nos acusou de superficiais (apesar
de até aqui eu não ter visto sequer um argumento seu).

Obrigado pela indicação bibliográfica. Certamente procurarei a obra da
ilustríssima professora Marisa Gandelman, mundialmente conhecida por sua
seriedade e suas diversas obras, referência para qualquer pesquisa séria na
área de direitos autorais.

Que tipo de argumento é esse de dizer que os direitos autorais têm mais de
300 anos e devem ser respeitados??? O critério de justiça de uma norma agora
é de antigüidade? Considerando tal argumento então é um absurdo imaginar que
a monarquia pudesse acabar, afinal de contar foi um instituto que existiu na
Europa durante séculos. E os privilégios dos nobres? Duraram até mesmo
milênios (desde o começo do feudalismo). E o direito do marido de matr a
mulher adúltera? É muito bom mesmo o seu argumento. Devemos respeitar os
direitos autorais porque eles são velhos....

Não me corrija, Daniel. Eu bem sei que a origem mais remota de privilégios
editorais não se encontra na Inglaterra, mas na Itália e que estes
priviégios se disseminaram em toda a Europa durante os anos posteriores à
invenção da prensa móvel por Johannes Gutenberg. Sei que a escola
continental dos direitos autorais seguiu um traçado diferente da common law
e que o nosso sistema seguiu o padrão francês e não o britânico, já que o
nosso ordenamento jurídico é de tradição civilista e não da common law.
Todavia, em ambos as tradições os direitos autorais tiveram a mesma origem
promíscua e na França, quando da revolução francesa, tais privilégios foram
revistos e teoricamente passaram para as mãos dos autores, mas de fato
permaneceram indiretamente nas mãos dos editores. Quanto à humanismo na
sociedade moderna, eu sinceramente lhe indico o livro Vigiar e Punir, você
está muito preso ao discurso dogmático das salas de aula. Abra a sua mente,
pense em um mundo onde tais direitos não existem e imagine por que seria
melhor alterar esse mundo para um onde eles existem e quem se beneficiaria
de fato com essa mudança. A Revolução Francesa foi uam revolução
essenciamente burguesa, jamais se esqueça disso. As mudanças propostas por
ela visavam essencialmente defender uma sociedade nos moldes burgueses.

Quanto ao seu último parágrafo a minha impressão é de que você simplesmente
nem leu nossas respostas até aqui, porque temos dito claramente que não
queremos impedir os autores de receberem remuneração ou mesmo lucrarem com
as suas criações a questão é que o direito autoral NÃO É o único modo de
fazer isso e nem o MELHOR (em nossa opinião). A nossa crítica não é ao poder
dos autores, que de fato têm muito pouco, mas ao dos editores que inclusive
escolhem aquilo que deve ser publicado e chegam até a padronizar as músicas
dos compositores, para torná-las vendáveis....

Nós é que agradecemos a oportunidade de relembrarmos como certas pessoas
realmente estão enviesadas até a raiz de suas almas e dificilmente abrirão
ouvidos para aprender a cantar em outro tom.

Enfim, é isso, vou procurar me informar lendo o que escreveram alguns
professores sério da PUC sobre o assunto e deixar de lado as baboseiras que
vêm sendo discutidas a nível internacional.

André
-------------- next part --------------
An HTML attachment was scrubbed...
URL: http://lists.ibiblio.org/pipermail/cc-br/attachments/20070427/05e7e146/attachment.html 


More information about the cc-br mailing list