Re: [personal] Re: [cc-br] Não-comercial X setor público II

Giordani Rodrigues giordani at infoguerra.com.br
Thu Mar 18 12:54:10 EST 2004


Sei que o Cassiano se referiu a todo o contexto da explicação do Omar, mas não pude deixar de lembrar do Millôr Fernandes, ironizando o uso (abuso?) do latim na Justiça: 

"O latim, que deixou, erradamente, de ser ensinado nas escolas, é obrigatório na prática da justiça. Se um advogado disser que o poder está querendo ganhar pela força não consegue grande efeito. Mas se disser: "É a ultima ratio regum" a coisa soa como verdade esotérica, sábia, divina. Logo o promotor pode usar uma frase ofensiva, não sem antes avisar: "Horribile dictu!". O juiz, por sua vez, pode interromper: "Immota manet!" (Fica quieto aí, ô cara!). Qualquer tolice pode salvar ou arruinar uma vida quando dita em latim. É indiferente. Mas aumenta o cachê. E impede  que qualquer um de nós possa fazer sua própria petição." (1989) (in Millôr Definitivo - A Bíblia do Caos - 8a. ed. - pg. 276)

[]s

Giordani

PS -  BTW , também sou jornalista e entendi perfeitamente o trecho sobre lead e pirâmide invertida :-)
PS 2- Cassiano, o TRF da 3a. Região possui online a íntegra de um "Manual de Direito para Jornalistas". Talvez lhe interesse:
http://www.trf3.gov.br/usu/manual/manual.htm


----- Original Message ----- 
From: "Cassiano > matrizweb.com" <listas at matrizweb.com>
To: "Creative Commons Brazil" <cc-br at lists.ibiblio.org>
Sent: Thursday, March 18, 2004 11:07 AM
Subject: [personal] Re: [cc-br] Não-comercial X setor público II


At 01:27 18/03/04 -0300, Omar Kaminski wrote:
>....com licença ou sem licença, haverá um fato jurídico exteriorizado,
>embora facultativo, e com isso há a incidência dos direitos autorais em
>virtude do ato declaratório. O que é diferente de questões "interna
>corporis", que além de privadas podem ser sigilosas ou estratégicas...

Olá, Omar,
Agradeço demais sua consideração. Mas é engraçado quando uma lista mistura 
profissionais de origens diferentes. Sou jornalista, produtor editorial, 
comunicador, novato aqui. Esta lista parece incluir muitos advogados 
especializados. O engraçado é que, no fundo, não entendi sua frase. Embora 
em perfeito português, para mim soa meio grego..:)

1) Qual a implicação jurídica de um "fato exteriorizado"?

2) Por que existe uma "incidência de direitos autorais em virtude de um ato 
declaratório"?

3) O que é, ou representa, um "ato declaratório", do ponto de vista jurídico?

Vou exemplificar como me sinto. Imaginem a redação de jornal diário de 
grande porte. O editor-chefe vira para o repórter recém-contratado de uma 
revista: "O texto está bom, mas vc precisa usar a pirâmide invertida porque 
seu lead está no pé."

Para jornalistas com razoável experiência a frase acima possui um sentido 
enorme. Para um leigo, ela parece uma brincadeira corporativa. É mais ou 
menos como me sinto ao tentar entender os conceitos do Omar. Sei que 
possuem uma enorme profundidade, mas não consigo avançar muito além das 
palavras, pois o entendimento jurídico delas não está no meu repertório.

Omar, sem querer abusar, dá pra ser um pouco mais didático?

[]s
Cassiano

ps1: essa discussão me interessa sobremaneira; espero que a lista 
compartilhe das valiosas informações que tenho recebido. Só tenho a 
agradecer a enorme oportunidade de conseguir entender em profundidade o que 
o CC pode representar;

ps2: Pirâmide invertida é estruturar a notícia colocando a informação 
principal no primeiro parágrafo, também conhecido como lead. Na sua forma 
ideal, o título contém a informação mais importante, seguido pelo lead e o 
"sublead", o segundo parágrafo. O resto do texto passa a ser cada vez menos 
importante, podendo ser literalmente cortado da edição final sem traumas. 
Numa revista, essa estrutura não costuma acontecer. Repórteres de revistas 
costumam ter dificuldade em adotar a pirâmide invertida quando migram para 
jornais; e vice-versa. Na verdade, colocar o "lead no pé", no fim do texto, 
é algo comum de acontecer, quando se tem pouca experiência em jornalismo. O 
novato chega da rua e não consegue visualizar o que é, afinal, o principal 
enfoque. Um bom editor normalmente ajuda a resolver isso. Ou não. Por isso, 
a regra prática número 1 de redação em jornal é: texto da reportagem começa 
pelo título. Por ser curto, ele define a notícia "verdadeira" e, por 
gravidade, define o lead, criando condições para priorizar o restante do 
texto. Funciona que é uma beleza :) 



--------------------------------------------------------------------------------


> 
> ---
> Outgoing mail is certified Virus Free.
> Checked by AVG anti-virus system (http://www.grisoft.com).
> Version: 6.0.617 / Virus Database: 396 - Release Date: 09/03/04
> 


--------------------------------------------------------------------------------


> _______________________________________________
> cc-br mailing list
> cc-br at lists.ibiblio.org
> http://lists.ibiblio.org/mailman/listinfo/cc-br
> 



More information about the cc-br mailing list