[cc-br] mudança de licença. PODE?

Paulino Michelazzo listas at michelazzo.com.br
Sat Dec 15 14:40:22 EST 2007


Prezado Dr.:

Inicialmente gostaria de pedir efetivas desculpas se sentiu-se mal  
diante de meus comentários. Creio ter tocado em algum ponto que não  
devia, o qual é exclusivo seu; afinal os demais advogados e  
representantes do judiciário brasileiro presentes aqui na lista não  
se manifestaram diante da tal alardeada "visão estreita". Bem sabem  
aqueles aqui presentes com quem mantenho relações o quanto ela é  
estreita. Mesmo assim, peço minhas sinceras desculpas, extensíveis  
aos demais colegas que possam equivocadamente sentir-se ofendidos por  
um comentário imaturo desde programador de software.

Mas tenho que vir a lista confessar que o assunto acima descrito no  
"subject" desta tread tornou-se à mim uma boa anedota, principalmente  
diante de seu esforço em desmentir (ou explicar, não sei) aquilo que  
projetos consagrados de software livre, tais como XFree, Python, Zope  
e o mais conhecido, QT, fizeram [1] (a mudança de licença, assunto  
desta tread), ou ainda diante de pensamentos como os de Richard  
Raymond [2] ou do Projeto Debian [3]. Fiquei emocionado com os  
caminhos e atalhos percorridos a fim de contestar (ou afirmar)  
palavras, frases e até mesmo parágrafos completos. Eu não teria tal  
habilidade, mesmo dando "nó em pingo d'água" quando o assunto é fazer  
sofware. Creio ser efetivamente um dom divino.

Algo que me deixou triste foi não poder me lembrar quando foi a  
última vez que, devido minha apresentação de argumentos baseados em  
fatos (listados no final desta mensagem), fui achincalhado em uma  
lista de discussão. Não, não se preocupe e tampouco tome isso como  
mágoa, ódio ou motivo de vingança. Isso já aconteceu anteriormente,  
eu realmente gosto e me divirto muito, principalmente quando os  
"ouvintes" usam a "lente da verdade" para conhecer mais sobre os  
interlocutores. Neste momento, a imaturidade aparece em números com  
vários zeros azuis, o que me faz rebentar-se em uma longa e sonora  
risada digna daquele que não muito se importa com o português afinado  
(mas nem por isso não sabe usá-lo quando convém), mas sim com fatos  
(e fotos, se possível for pois adoro fotos).

Finalmente, gostaria de pedir humildemente que forneça à todos nós  
algum estudo, capítulo de livro, artigo ou até mesmo rabisco de vossa  
autoria sobre o assunto desta tread para que possamos enriquecer o  
debate e chegar a um consenso sobre o tema. Ele muito me interessa  
pois como escrevo constantemente para dezenas de websites e revistas  
(digitais ou não), sigo em término do primeiro volume de uma série  
técnica e mais um produto de software (livre, claro), acredito que  
todas as dúvidas devem ser dirimidas antes do lançamento de tais  
trabalhos. Como "o futuro a Deus pertence" e meus advogados (que  
inclusive estão aqui presentes) podem estar enganados (vocês estão?),  
preciso hoje vislumbrar o que os anos vindouros me reservam (ou o  
destino, como queira) a fim de me precaver, já que não posso mudar a  
forma de licenciamento de minha criatividade imatura. No que puder  
colaborar neste intuito, tanto à mim quanto aos demais presentes,  
tenho certeza que será muito bem-vindo para que possamos ter uma  
fonte comparativa de informações e até mesmo uma visão procedente da  
qual estamos sendo furtados mediante as bandagens negras da  
ignorância. Se o Dr. não tiver, não tem problema, fico feliz com a  
indicação de outros autores também.

No mais, agradeço as alegres horas proporcionadas pelo debate.

Saudações


[1] - http://www.dwheeler.com/essays/gpl-compatible.html
[2] - http://en.tldp.org/HOWTO/Software-Release-Practice-HOWTO/ 
licensetheory.html
[3] - http://people.debian.org/%7Esrivasta/Position_Statement.xhtml

On 16/12/2007, at 01:29, André Nunes wrote:

> Paulino,
>
> Novamente você foi apressado. Leia com mais atenção antes de me  
> atribuir alguma afirmação.
>
> "Declaração de vontade" é algo distinto de "Vontade".
>
> No mais, posso apenas lamentar a sua visão estreita do direito e da  
> função social do advogado. O advogado não serve somente para  
> defender e provar as alegações de seus clientes a todo custo, mas  
> também para esclarecer dúvidas e dar orientações sobre o direito,  
> com a finalidade principalmente de evitar a lide. Tem que saber  
> dizer não, quando percebe que a vontade de seu cliente não tem  
> amparo no direito e nem persegue um bom escopo jurídico.
>
> Contudo, é difícil incutir isso na cabeça de pessoas imaturas, que  
> não conseguem entender o custo social de sua irresponsabilidade,  
> quando sobram advogados no mercado que acham que a função do  
> advogado é ser instrumento de realização dos desejos dos clientes.  
> Depois ainda temos a pachorra de reclamar da ineficiência do  
> judiciário.
>
> abçs,
>
> André Nunes
>
> !DSPAM:476400f0148812010016184!
> _______________________________________________
> cc-br mailing list
> cc-br at lists.ibiblio.org
> http://lists.ibiblio.org/mailman/listinfo/cc-br
>
>
> !DSPAM:476400f0148812010016184!

Paulino Michelazzo
http://www.michelazzo.com.br
http://www.michelazzo.blog.br





More information about the cc-br mailing list