[cc-br] mudança de licença. PODE?

André Nunes dede.mathias at gmail.com
Wed Dec 12 12:26:22 EST 2007


Aqui se explica a minha "dureza" no primeiro email. A disseminação da
cultura livre de forma irrefletida e com poucas bases filosóficas gera esse
tipo de angústia. O nosso objetivo primordial não é dar estímulos para que
os "autores" disponibilizem suas obras através de licenças colaborativas,
quaisquer que sejam os meios. Por isso eu disse que "*Quem não conhece suas
liberdades a fundo, não tem como apreciar-lhes o valor e conseqüentemente as
lança fora sem pensar.*"

O foco do movimento é derrubar a ética individualista reinante. Não é apenas
uma subcultura, mas uma contracultura. Devemos convencer os demais de que o
direito autoral é uma agressão às liberdades sociais, não um direito. As
pessoas deveriam se conscientizar da prevalência dos direitos coletivos
sobre os direitos individuais, e que estes somente se justificam quando
suportados naqueles. Um indivíduo recebe direitos dentro da sociedade quando
esta concessão é de interesse da comunidade, não o contrário.

Esta discussão é a razão da divergência entre o free software e os
movimentos open source. Os membros do segundo grupo pensam pela lógica
individual e se preocupam em convencer os indivíduos de que a licença
"aberta" é melhor sob o prisma dos ganhos individuais. Eles querem convencer
o maior número possível de adeptos a migrar para formas compartilhadas de
distribuição do conhecimento. Já o movimento livre tem outra lógica. Não nos
preocupamos com escalas, mas com fundamentação, princípios e valores. Não
importa que muitos sejam afastados quando confrontados com questões éticas,
não importa a velocidade com que conseguimos captar adeptos. Importa a
consistência e permanência dos valores que defendemos, justamente porque não
queremos nos arriscar a perdê-los.

Se alguém ao ter contato com o ideário livre licenciar sem o devido
conhecimento de suas implicações prestamos um desserviço. Se alguém em
contato com o ideário quiser revogá-lo, é porque não atingimos nosso
objetivo de forma adequada. O objetivo não é a licença, é o licenciador.

Por fim, a pessoa não terá que fazer sempre (com novas obras - se bem
entendi sua preocupação), mas se ela não deseja fazer sempre é porque
falhamos em disseminar nossos valores.

Abçs,

André Nunes

On Dec 12, 2007 4:01 PM, Omar Kaminski <omar at kaminski.com> wrote:

> Isso não acaba funcionando como um desestímulo ao autor? Será que este, se
> souber que a licença é irrevogável (sic) irá querer disponibilizá-lo por
> uma
> licença livre?
>
> Existe tanto radicalismo que se a pessoa fizer uma vez parece que terá que
> fazer sempre, numa escravatura às avessas, senão será tachado de traidor
> (?!?).
>
> Bravo mundo novo, esse.
>
> []s
>
>
> ----- Original Message -----
> From: André Nunes
> To: Creative Commons Brazil
> Sent: Wednesday, December 12, 2007 1:47 PM
> Subject: Re: [cc-br] mudança de licença. PODE?
>
>
> Portanto, respondendo a sua pergunta: não, ninguém mais estaria vinculado
> às
> antigas licenças, justamente porque qualquer um poderia obter acesso as
> novas licenças mais permissivas assim como no caso precedente qualquer um
> poderia se avocar aos direitos da licença mais permissiva anterior, já que
> em ambos os casos não há distinção entre as cópias pré e pós licenciamento
> livre.
>
> _______________________________________________
> cc-br mailing list
> cc-br at lists.ibiblio.org
> http://lists.ibiblio.org/mailman/listinfo/cc-br
>
-------------- next part --------------
An HTML attachment was scrubbed...
URL: http://lists.ibiblio.org/pipermail/cc-br/attachments/20071212/759f10ef/attachment.html 


More information about the cc-br mailing list