[AI] RES: O lugar do Arquiteto

Fabio Palamedi fabio.palamedi em gmail.com
Quarta Maio 14 12:01:45 EDT 2008


Ola Luciano , Ale, lista =)

 

O que eu acho a respeito.

 

Vejo, as coisas sobre duas óticas bem distintas. Para mim, existe dois tipos
particulares de AI.

 

Um Ai, que está habituado a trabalhar mais superficialmente
(tecnologicamente falando) , mas com foco em
comunicação/relacionamento/experiências mais ricas,  mais profundas.

E outro, que esta habituado a trabalhar com soluções bem mais complexas e
que exigem, conhecimento de tecnologia para serem desenhadas. ( em alguns
casos, modelagem de base de dados para trabalhar com BI, é essencial…)

 

Resumindo: para mim, tem o AI de software-house, e o AI de comunicação e
relacionamento. A pesar de AI ser AI, não interessa onde ela seja aplicada,
o que muda, é a experiência que esses profissionais carregam. Eu, por
exemplo, tenho muito mais facilidade em trabalhar com portais corporativos,
intra e extranet complexas, do que com um hotsite experimental. As vezes, o
profissional é inserido no ambiente de TI, e não tem como escapar. (explica
para um camarada que vai fazer uma auditoria de CMMI, que não da para fazer
wireframe dentro do ambiente de uml super-hiper-ultra integrado com EA e etc
etc etc…) Alias, algumas empresas que já trabalhei, wireframe era opcional.
O negócio era mesmo Usecase, somente com os fluxos e requisitos das
funcionalidades.

 

Não que um  o Ai de software-house não saiba lidar com as atividades do Ai
de agencia ou vice-versa. Nada disso. Mas, a ótica esta nas soluções sem que
eles estão inseridos. Uma empresa que se propõe a desenvolver um portal
corporativo, com todos os seus módulos possíveis e imagináveis (km, Rh, cms,
ged, etc), deve possuir uma documentação mais “parruda”, mais coerente, mais
detalhada, e isso demanda mais tempo de estudo e analise. Agencia, nem
sempre o AI tem tempo sequer para fazer benchmark. E é exatamente disso que
falo, quando  acredito existir dois tipos de Ai´s bem distintos. O ambiente
em que eles são moldados e aperfeiçoados.

 

A pesar de (por exemplo) card sorting   ser o mesmo em ambos os ambientes,
os métodos mudam, as métricas e PRIORIDADES dos trabalhos, também. São
“experiências” bem distintas. Onde quero chegar? Simples. Eu acho que a
coisa, não vai mudar, alem do que já esta, com exceção de algumas
particularidades interessantes que tenho notado.

 

1-    Arquitetos de agências, tendem a se alinhar muito mais mas etapas
iniciais dos projetos. (business mesmo)

a.     Algumas agencias, já perceberam que, colocar o AI no começo do
projeto, da um “senhor” ganho de visão no projeto. Não da..gente de negócios
tem visão de negócios, e o AI, tem que ter uma visão centrada mais no
usuário, do que no negócio (salva algumas exceções, claro, isso não e uma
regra xD) porque, afinal de contas, é o usuário que vai usar de alguma forma
o site/hotsite /] hot-mobile-site, (foco no foco do foco do cliente xD)
wherever… Mas, esse “alinhamento” com  o pessoal de planejamento, me leva a
acreditar que num futuro próximo, o Ai, também possua uma visão estratégica
de mercado. Coisa que já é realidade em software-houses.

2-    Arquitetos de software-houses, tendem a se aprofundar mais ainda no
mundo da TI.

a.     Essas empresas que desenvolvem software ( pelo menos as grandes e as
de visão) web-based, já reconhecem que, se elas almejam estar na web, elas
tem que “dançar conforme a musica toca”. E na web, é outra musica, beeeeem
diferente da musica cafona que toca no mundo dos desktop applications. Se o
site delas, não for eficiente, não for “usável”, não vai rolar, não importa
o beneficio que o web-based delas se proponha a fazer. 

3-    La na frente, em um futuro não tão distante assim…..acredito que esses
dois tipos virem um tipo único, justamente, pela necessidade constante de
inovação. Ja imaginaram um portal corporativo permitindo uma interação com a
informação de forma diferente da habitual, de forma divertida, agradável,
mais simples, mais intuitiva? Imagine só, que o seu portal corporativo virou
um grande game, e tudo o que vc precisa fazer, é se divertir??? O que me
impede de desenvolver meu trabalho, com se eu estivesse na frente da TV,
jogando um PS3 ? 

 

Uma coisa que eu sempre me lembro da apresentação do Guilhermo, é a questão
da ‘legitimidade” da profissão. Daqui a pouco, será uma profissão
“legitima”…RS…e as empresas passarão a dar mais importância. Mas até La, não
creio que as coisas mudem ou sejam muito diferentes do que agora. Se
pararmos para pensar, “Ai”, não é uma coisa nova….na verdade, é um “nome
novo”, com “ferramentas bacaninhas” e métodos moderninhos”. Mas, quem já
atua no mercado a muito tempo, já fazia tudo isso, de uma forma ou de outra
=)

 

E, vou mais alem…..será que o “lugar do AI” é somente na web? Ja vi muitos
lugares que precisavam da ‘informação certa’ no lugar certo.  Será que, um
arquiteto de informação, no Hopi Hari faria difrença?

 

Imagina só, vc na frente do brinquedo, obtendo informação relacionada: “Quem
brincou nesse brinquedo, também brincou nos brinquedos X , Y e Z”. Veja os
depoimentos:.  (para ver o mapa para os brinquedos, clique sobre os mesmos).

 

Não é nem para se pensar..e sim, viajar…rs…

Onde eu vejo o AI ?? rsrs

 

[],s

Fabio Palamedi

 


Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition. 
Version: 7.5.516 / Virus Database: 269.17.13/1212 - Release Date: 6/1/2008
22:55
 
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: http://lists.ibiblio.org/pipermail/aifia-pt/attachments/20080514/6ca4fd28/attachment.html 


Mais detalhes sobre a lista de discussão AIfIA-pt